Cidade dos Animais




Autor Tópico: Como encontrar o seu animal  (Lida 3490 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline Panther

  • Equipa de Administração
  • *
  • Mensagens: 14539
  • Sexo: Feminino
    • * Animal Friends *
Como encontrar o seu animal
« em: Domingo, 25 Março 2007, 23:56 »
  • Normalmente, os animais fogem ao tédio ou à solidão; para responder aos seus instintos sexuais caso não estejam esterilizados; em resposta a eventos repentinos e inesperados que os assustam; por curiosidade pelo mundo exterior; por janelas ou portões terem sido deixados abertos; ou, se estiverem numa nova casa, à procura do ambiente circundante anterior.

    Com as sugestões abaixo, pretendemos oferecer-lhe algumas linhas de orientação na busca do seu gato ou cão.
    As primeiras 12 horas após um desaparecimento são vitais, pelo que é essencial rapidez de acção. Esperamos que estas indicações o ajudem.



    Como encontrar o seu gato:
    Dada a sua natureza mais recatada, em princípio, os gatos não se afastarão muito mais do que um quilómetro. Por oposição aos casos de cães desaparecidos (em que a ajuda de terceiros é quase sempre essencial), o êxito na procura de gatos desaparecidos depende quase exclusivamente da "perícia" de quem os procura.

    Desenhe mentalmente um círculo em volta do local onde o seu gato desapareceu. Pense nos locais dentro desse círculo para onde o seu gato provavelmente se deslocaria em procura de comida, de abrigo ou de companhia, ou simplesmente por curiosidade. Uma casa desabitada? Uma arrecadação? Uma casa com animais não esterilizados? Uma zona frequentada por uma colónia de gatos? O seu gato poderá estar assustado/ferido e ter-se escondido em algum sítio de onde não se atreva a sair ou pode ter entretanto ficado preso em algum local (um sótão, uma garagem, etc.).

       • Certifique-se primeiro de que o seu gato não está dentro de casa! Quem convive com gatos sabe como eles são curiosos e também peritos em "esconder-se".
    Terá entrado para uma gaveta ou um armário aberto recentemente? Estará a dormitar dentro do guarda-fatos? Estará escondido atrás da televisão ou da cortina?
    Se não encontrar o seu animal dentro de casa, passe rapidamente à busca no exterior.
       • Percorra as proximidades do local de desaparecimento! Percorra a pé as imediações do local de desaparecimento e chame pelo seu gato com calma, utilizando expressões que ele reconheça. É essencial repetir esta rotina diariamente e durante o maior número possível de dias/semanas, com maior intensidade à noite (que é quando tudo está mais calmo e os gatos se mostram mais). Um gato assustado ou num ambiente desconhecido muito dificilmente se mostrará ou responderá ao nome, pelo que é necessária muita persistência da sua parte. Faça os mesmos percursos várias vezes. O seu gato poderá vir a juntar-se a uma colónia de gatos (geralmente, as colónias formam-se onde existe abrigo e uma fonte de alimentação regular), pelo que é importante reforçar as buscas nesses locais e abordar pessoas que alimentem animais de rua.
       • Faça sons familiares! Os animais podem ouvi-lo a grandes distâncias. Chame com frequência pelo seu gato, mas com tom de voz calmo. Se ele tiver um brinquedo com gizo/apito, leve-o consigo e utilize-o para fazer sons familiares. Faça outros sons conhecidos do seu gato (abanar o saco de ração, bater com uma colher na lata de comida, etc.), sempre com calma. Ouça com atenção se o seu gato faz algum barulho em resposta.
       • Leve uma lanterna com luz forte! Mesmo durante o dia, leve consigo uma lanterna para procurar em locais escuros. Um gato assustado ou magoado irá esconder-se em locais resguardados e não irá ter consigo. Além de procurar em locais escuros, procure também em valetas, caves, barracões, garagens, aterros, contentores, casas devolutas ou em construção, debaixo de carros, etc. Se o seu animal tiver caído, o mais provável é que se tenha escondido logo nas imediações do local da queda (debaixo de um carro, numa garagem, numa cave, num vão de escada, etc.). Se seu animal tiver acesso regular ao exterior ou ao telhado, é possível que tenha ficado preso (num sótão, numa casa devoluta, numa casa em obras).
       • Muna-se de transportadora e de comida apelativa! Na busca do seu gato, não se esqueça de levar uma transportadora e ração/comida com cheiro forte apelativo (por exemplo, sardinhas ou atum) para o atrair na eventualidade de o conseguir ver.
      • Aborde os frequentadores da zona! Pergunte aos moradores locais e a outras pessoas que frequentem habitualmente a zona (lojistas, carteiros, funcionários camarários de limpeza) se viram o seu gato e peça-lhes que fiquem atentos a gatos com as mesmas características. De preferência, leve consigo um familiar ou amigo.
       • Olhe para cima! É muito importante procurar bem debaixo de carros e em potenciais "esconderijos". Contudo, também é importante "olhar para cima". Se houver árvores nas redondezas, convém certificar-se de que o seu gato não terá subido a nenhuma. Por vezes, em momentos de pânico, alguns gatos sobem até ao cimo de uma árvore e não conseguem depois descer.
       • Prepare um "tapete de boas-vindas"! Se tal for viável, coloque artigos com odor forte à porta/janela de casa para atrair o seu gato. Por exemplo, um pratinho com comida de cheiro forte e peças de roupa usada poderão ajudar a atrair o seu gato, se este estiver nas imediações. Se tal for possível, coloque também no exterior o "ninho" e os brinquedos preferidos do seu gato.
       • Publique um anúncio de animal perdido em Encontra-me.org! Submeta um anúncio para que o seu gato fique registado na nossa base de dados de animais desaparecidos e para que os restantes utilizadores sejam notificados acerca do desaparecimento. Outra vantagem é que fica logo disponível um folheto optimizado de divulgação. Os folhetos de Encontra-me.org incluem uma faixa de tiras de contacto, o que permite que qualquer pessoa interessada em ajudar retire uma tira com o n.º de telefone, aumentando-se assim as pessoas "envolvidas" na procura (depois de impressos os folhetos, é conveniente que dê pequenos cortes com a tesoura ao longo do tracejado). Tenha o cuidado de inserir informações que possam ajudar terceiros na eventualidade de avistarem o seu gato (por exemplo, na maior parte dos casos, não convém tentar agarrar um gato, pois tal poderá afugentá-lo ainda mais). Ao descrever o seu gato, oculte uma ou duas características identificadoras (esta medida é essencial para evitar fraudes).
       • Afixe e distribua os folhetos de divulgação! Em todas as buscas pelo seu gato, vá afixando e distribuindo folhetos com fotografia. É extremamente importante afixar folhetos no raio de, pelo menos, mil metros do local de desaparecimento. Peça também para colocar um folheto em padarias, mercearias, cafés, clínicas veterinárias, supermercados, bombas de gasolina, farmácias e outros locais estratégicos. Examine os folhetos frequentemente e substitua os que tiverem sido retirados ou danificados (infelizmente, muitos folhetos desaparecem em menos de 24 horas). É também aconselhável distribuir um folheto aos carteiros e funcionários camarários de limpeza que actuam na sua zona, pois estes percorrem a vizinhança diariamente.
       • Notifique clínicas veterinárias e bases de dados de microchips! Telefone para as clínicas veterinárias da sua zona para saber se o seu gato terá sido recebido para tratamento ou verificação de existência de microchip. Deixe um folheto com fotografia nas clínicas veterinárias de todo o concelho e, com o passar do tempo, dos concelhos adjacentes (pesquise os contactos no site das Páginas Amarelas). Se o seu gato tiver microchip, notifique a entidade da base de dados pertinente: SIRA ou SICAFE . Certifique-se de que as informações de contacto estão actualizadas. Não deixe também de consultar regularmente a lista de microchips não registados no SICAFE, de responsabilidade da DGV.
       • Desloque-se aos canis/gatis municipais! Visite regularmente os canis/gatis municipais mais próximos. Não basta telefonar, tem de ir ver por si próprio. Lembre-se de que a sua descrição do seu gato e a descrição de outras pessoas nem sempre coincide. Por outro lado, infelizmente, há funcionários pouco sensíveis e pouco cooperantes que se apressam a informar (incorrectamente) que não existe no canil/gatil nenhum animal com as características indicadas. Ligando para os contactos gerais das câmaras municipais, poderá obter a localização dos respectivos canis/gatis. Se o seu gato não estiver no canil/gatil municipal, informe-se sobre quanto tempo cada canil/gatil mantém os animais antes de os colocar para adopção ou de os abater. Por lei, os canis/gatis municipais devem aguardar 8 dias antes de abater um animal, mas este prazo mínimo nem sempre é cumprido. Peça a ajuda de amigos ou familiares para visitarem os canis/gatis à vez.
       • Contacte as associações de protecção mais próximas! Informe-se sobre quais as associações de protecção aos animais da sua zona e notifique-as (veja aqui uma lista de associações a actuar em Portugal). Se tiver adoptado o seu gato numa associação, informe-a o quanto antes acerca do desaparecimento, para que os voluntários da associação também possam ajudar na procura.
       • Notifique a polícia se o seu animal tiver sido raptado! Apresente uma "queixa-crime por furto" na esquadra mais próxima, para que o caso siga para o Ministério Público. Terá de assinar a queixa e receber uma cópia da mesma. Se a polícia se recusar a aceitar a queixa, exija o livro de reclamações.
       • Contacte equipas de estrada! Descubra se o seu gato foi morto na estrada. Trata-se de uma tarefa triste, mas necessária. Caso contrário, poderá nunca saber o que aconteceu ao seu animal. Entre diariamente em contacto com as equipas que recolhem animais das ruas e estradas da sua área de residência (contacte a sua Câmara Municipal para que lhe indiquem como poderá obter essa informação). Poderá também contactar a delegação regional da Estradas de Portugal do seu distrito (veja aqui os contactos das delegações regionais de todos os distritos) ou utilizar o número azul 808 210 000 (Estrada Livre) para tentar obter essa informação.
       • Publicite o desaparecimento! Se possível, anuncie também o desaparecimento do seu gato em jornais e estações de rádio locais. Coloque um anúncio na edição de domingo, bem como durante a semana.
       • Tenha cuidado com pessoas mal-intencionadas e fraudes! Infelizmente, existem pessoas que se tentam aproveitar de situações de animais perdidos. Evite encontrar-se sozinho com alguém que afirme ter encontrado o seu animal. Leve um ou dois amigos consigo e marque um encontro num local público. Da mesma forma, evite andar sozinho à procura do seu animal, particularmente em locais que não lhe sejam familiares. Não convide ninguém para entrar em sua casa, a menos que conheça bem essa pessoa. Quando falar com um desconhecido que afirme ter encontrado o seu animal, peça-lhe que descreva o animal com exactidão antes de lhe fornecer qualquer outra informação. Se o desconhecido não incluir a característica identificadora que ocultou nos anúncios, é provável que afinal não tenha o seu animal. Tenha cuidado redobrado com pessoas que insistam em receber antecipadamente dinheiro pela devolução do seu animal ou por eventuais despesas veterinárias. Uma tentativa comum de burla consiste em pedir um pagamento na forma de carregamento de telemóvel para devolver o animal – não se deixe iludir.
       • Não desista! Há casos de gatos que andaram desaparecidos durante meses e que acabaram por ser encontrados. Proceda a uma afixação regular de folhetos e contacte regularmente as clínicas veterinárias do concelho do local de desaparecimento (e concelhos adjacentes). Na eventualidade de o seu gato ter sido recolhido por alguém, as probabilidades de ir a uma clínica veterinária são altas. Por outro lado, quem sabe se a divulgação não chega a alguém que possa ajudar e que não tivesse tido conhecimento do sucedido aquando de divulgações anteriores?




    Como encontrar o seu cão:
    A distância que os cães percorrem dependerá em grande medida da distância que as suas patas lhes permitem andar. Por exemplo, cães fortes, especialmente se forem novos, podem percorrer oito quilómetros ou mais num único dia. Cães pequenos poderão conseguir percorrer cerca de um quilómetro.
    A maioria dos cães é bem recuperada num raio de três quilómetros de casa, especialmente porque não costumam percorrer largas distâncias em linha recta, independentemente da sua força ou rapidez.
    Por exemplo, se se tratar de um cão confiante, ele irá procurar outros cães e outros humanos que sejam amigáveis e que provavelmente o confortem, alimentem e abriguem. Jardins e parques públicos são locais que ele procurará.
    Pelo contrário, se se tratar de um cão tímido e mais idoso que não confie em estranhos, ele irá esconder-se. Bons locais para isso podem ser os arbustos, um local ermo ou até mesmo debaixo dos carros.

    Desenhe mentalmente um círculo em volta do local onde perdeu o seu cão. Pense nos locais dentro desse círculo para onde ele provavelmente se deslocaria em procura de companhia, conforto ou comida. Um jardim ou um parque onde vá regularmente? Uma escola? Uma casa onde o seu cão costume receber guloseimas ou tenha um amigo? A porta de um carro aberta? Pense em todas as pessoas que vivem dentro desse círculo, pessoas que passem muito tempo fora de casa e que seja provável verem um animal perdido. Pense nas pessoas que percorrem a sua zona como parte do seu trabalho, pessoas que você não conhece e que não o conhecem a si. Peça a todas elas que o ajudem a encontrar o seu cão. Quanto mais pessoas estiverem envolvidas na busca, maiores serão as probabilidades de o encontrar.

       • Percorra as proximidades do local de desaparecimento! Percorra a pé ou de bicicleta as proximidades do local de desaparecimento. Pergunte aos moradores locais e a outras pessoas que frequentem habitualmente a zona (lojistas, carteiros, funcionários camarários de limpeza) se viram o seu cão. De preferência, leve consigo um familiar ou amigo. Fale com todas as pessoas que encontrar e tente envolver as crianças da vizinhança na procura (as crianças podem ser óptimas a encontrar animais). Se tiver outro cão e ambos os animais se derem bem, se tal for viável, leve-o consigo nas suas caminhadas. À medida que os dias forem passando, o raio de busca deverá ser aumentado.
       • Faça barulho! Os animais podem ouvi-lo a grandes distâncias. Chame continuamente o nome do seu cão. Se ele tiver um brinquedo com gizo/apito, leve-o consigo e utilize-o para fazer ruídos familiares. Leve também consigo uma caixa dos biscoitos favoritos do seu cão e abane-a alto e bom som enquanto chama o nome do seu cão. Faça outros barulhos que lhe sejam familiares. No entanto, é importante parar regularmente, manter silêncio e ouvir se o seu cão faz algum barulho em resposta. Os vizinhos/transeuntes irão pensar que é maluco, mas estamos a falar da vida do seu cão!
       • Leve uma lanterna com luz forte, bem como coleira e trela!! Além de coleira e trela, mesmo durante o dia, leve consigo uma lanterna para procurar em locais escuros. Um cão assustado ou magoado poderá esconder-se em locais escuros e não irá ter consigo. Além de procurar em locais escuros, procure também em valetas, barracões, aterros, contentores, garagens, casas devolutas ou em construção, debaixo de carros, etc.
       • Publique um anúncio de animal perdido em Encontra-me.org! Submeta um anúncio para que o seu cão fique registado na nossa base de dados de animais desaparecidos e para que os restantes utilizadores sejam notificados acerca do desaparecimento. Outra vantagem é que fica logo disponível um folheto optimizado de divulgação. Os folhetos de Encontra-me.org incluem uma faixa de tiras de contacto, o que permite que qualquer pessoa interessada em ajudar retire uma tira com o n.º de telefone, aumentando-se assim as pessoas "envolvidas" na procura (depois de impressos os folhetos, é conveniente que dê pequenos cortes com a tesoura ao longo do tracejado). Tenha o cuidado de inserir informações que possam ajudar terceiros na eventualidade de avistarem o seu cão – por exemplo, indique se o seu cão é sociável ou se, pelo contrário, não convém tentar agarrá-lo (pois tal poderá afugentá-lo ainda mais). Ao descrever o seu cão, oculte uma ou duas características identificadoras (esta medida é essencial para evitar fraudes).
       • Afixe e distribua os folhetos! Esta é uma medida absolutamente indispensável em casos de desaparecimento. Se não divulgar o desaparecimento do seu cão através de folhetos, estará a comprometer seriamente o seu regresso a casa. Em todas as buscas pelo seu cão, vá afixando e distribuindo folhetos com fotografia. É extremamente importante afixar folhetos no raio de, pelo menos, um quilómetro e meio do local de desaparecimento. À medida que os dias forem passando, esse raio deverá ser aumentado. Peça também para colocar um folheto em padarias, mercearias, cafés, clínicas veterinárias, supermercados, bombas de gasolina, farmácias e outros locais estratégicos. Examine os folhetos frequentemente e substitua os que tiverem sido retirados ou danificados (infelizmente, muitos folhetos desaparecem em menos de 24 horas). É também aconselhável distribuir um folheto a carteiros, agentes de polícia, taxistas, motoristas de autocarro e funcionários camarários de limpeza, pois são pessoas que percorrem as cidades diariamente.
       • Prepare um "tapete de boas-vindas"! Se tal for viável, coloque artigos com odor forte à porta/janela de casa para atrair o seu cão, tais como peças de roupa suja. Peúgas suadas e fatos de treino são atractivos excelentes. Se possível, coloque também no exterior o "ninho" e os brinquedos preferidos do seu cão. Deixe o portão aberto, se daí não advier perigo.
       • Regresse ao local de desaparecimento! Se o seu cão tiver desaparecido longe de casa, volte com frequência ao local em que desapareceu. Após algum tempo, há cães que regressam ao local onde se perderam, pois esse local é a sua última referência.
       • Notifique clínicas veterinárias e bases de dados de microchips! Telefone para as clínicas veterinárias da sua zona para saber se o seu cão terá sido recebido para tratamento ou verificação de existência de microchip. Deixe um folheto com fotografia nas clínicas veterinárias de todo o concelho e, com o passar do tempo, dos concelhos adjacentes (pesquise os contactos no site das Páginas Amarelas). Se o seu cão tiver microchip, notifique a entidade da base de dados pertinente: SIRA ou SICAFE. Certifique-se de que as informações de contacto estão actualizadas. Não deixe também de consultar regularmente a lista de microchips não registados no SICAFE, de responsabilidade da DGV.
       • Desloque-se aos canis municipais! Visite regularmente os canis municipais mais próximos. Não basta telefonar, tem de ir ver por si próprio. Lembre-se de que a sua descrição do seu cão e a descrição de outras pessoas nem sempre coincide. Por outro lado, infelizmente, há funcionários pouco sensíveis e pouco cooperantes que se apressam a informar (incorrectamente) que não existe no canil nenhum animal com as características indicadas. Ligando para os contactos gerais das câmaras municipais, poderá obter a localização dos respectivos canis. Se o seu cão não estiver no canil municipal, informe-se sobre quanto tempo cada canil mantém os animais antes de os colocar para adopção ou de os abater. Por lei, os canis municipais devem aguardar 8 dias antes de abater um animal, mas este prazo mínimo nem sempre é respeitado. Peça a ajuda de amigos ou familiares para visitarem os canis à vez.
       • Contacte as associações de protecção mais próximas! Informe-se sobre quais as associações de protecção aos animais da sua zona e notifique-as (veja aqui uma lista de associações a actuar em Portugal). Se tiver adoptado o seu cão numa associação, informe-a o quanto antes acerca do desaparecimento, para que os voluntários da associação também possam ajudar na procura.
       • Notifique a polícia se o seu animal tiver sido raptado! Apresente uma "queixa-crime por furto" na esquadra mais próxima, para que o caso siga para o Ministério Público. Terá de assinar a queixa e receber uma cópia da mesma. Se a polícia se recusar a aceitar a queixa, exija o livro de reclamações.
       • Contacte equipas de estrada! Descubra se o seu cão foi morto na estrada. Trata-se de uma tarefa triste, mas necessária. Caso contrário, poderá nunca saber o que aconteceu ao seu animal. Entre diariamente em contacto com as equipas que recolhem animais das ruas e estradas da sua área de residência (contacte a sua Câmara Municipal para que lhe indiquem como poderá obter essa informação). Poderá também contactar a delegação regional da Estradas de Portugal do seu distrito (veja aqui os contactos das delegações regionais de todos os distritos) ou utilizar o número azul 808 210 000 (Estrada Livre) para tentar obter essa informação.
       • Publicite o desaparecimento! Se possível, anuncie também o desaparecimento do seu cão em jornais e estações de rádio locais. Coloque um anúncio na edição de domingo, bem como durante a semana.
       • Tenha cuidado com pessoas mal-intencionadas e fraudes! Infelizmente, existem pessoas que se tentam aproveitar de situações de animais perdidos. Evite encontrar-se sozinho com alguém que afirme ter encontrado o seu animal. Leve um ou dois amigos consigo e marque um encontro num local público. Da mesma forma, evite andar sozinho à procura do seu animal, particularmente em locais que não lhe sejam familiares. Não convide ninguém para entrar em sua casa, a menos que conheça bem essa pessoa. Quando falar com um desconhecido que afirme ter encontrado o seu animal, peça-lhe que descreva o animal com exactidão antes de lhe fornecer qualquer outra informação. Se o desconhecido não incluir a característica identificadora que ocultou nos anúncios, é provável que afinal não tenha o seu animal. Tenha cuidado redobrado com pessoas que insistam em receber antecipadamente dinheiro pela devolução do seu animal ou por eventuais despesas veterinárias. Uma tentativa comum de burla consiste em pedir um pagamento na forma de carregamento de telemóvel para devolver o animal – não se deixe iludir.
       • Não desista! Há casos de cães que andaram desaparecidos durante meses e que acabaram por ser encontrados. Proceda a uma afixação regular de folhetos e contacte regularmente as clínicas veterinárias do distrito do local de desaparecimento (e, eventualmente, distritos adjacentes). Na eventualidade de o seu cão ter sido recolhido por alguém, as probabilidades de ir a uma clínica veterinária são altas. Por outro lado, quem sabe se a divulgação não chega a alguém que possa ajudar e que não tivesse tido conhecimento do sucedido aquando de divulgações anteriores?


    Informação retirada de: http://www.encontra-me.org/procurar



    Offline Poneka

    • Colaborador
    • *
    • Mensagens: 5974
    • Sexo: Feminino
      • APCA
    Re: Como encontrar o seu animal
    « Responder #1 em: Terça, 27 Março 2007, 22:08 »
    Bom trabalho Paty :ehe:

    Offline Vania

    • Cidadão Recente
    • *
    • Mensagens: 4
    Re: Como encontrar o seu animal
    « Responder #2 em: Sexta, 01 Fevereiro 2008, 10:37 »
    ta muito bem explicado... mas nestas horas parece que se faz de tudo, mas mesmo assim nao chega...  :'(

    Offline Panther

    • Equipa de Administração
    • *
    • Mensagens: 14539
    • Sexo: Feminino
      • * Animal Friends *
    Re: Como encontrar o seu animal
    « Responder #3 em: Quarta, 16 Novembro 2011, 16:23 »
    Acima de tudo é essencial não se desistir e repetir-se várias vezes os passos explicados em cima :) 

    Deixo aqui algumas notícias de animais que foram encontrados passados anos! :D
    http://www.cidadedosanimais.com/forum/discussao-geral/(noticia)-cao-perdido-ha-9-anos-vai-voltar-a-casa/
    http://www.cidadedosanimais.com/forum/discussao-geral/(noticia)-gato-perdido-ha-quatro-anos-reencontra-donos/
    http://www.cidadedosanimais.com/forum/discussao-geral/(noticia)-gato-volta-a-casa-5-anos-depois/

    E o Encontra-me.org também dispõe agora de um local onde podemos consultar os apelos dos animais que voltaram a reunir-se com as suas famílias passado bastante tempo:
    http://www.encontra-me.org/perdidos/nao_desistir



     


    Copyright © Cidade dos Animais